quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Afinal sempre há PREC

Vejo passar em rodapé, no aparelho de televisão que tenho à miha frente, que o "PCTP/MRPP exige demissão imediata de Cavaco".

Anúncio

Cavaco precisa de um especialista em informática no Palácio de Belém. Fazer uma comunicação ao País para comunicar essa necessidade, é privilégio de Presidente. Não lhe bastava pôr um anúncio na secção de emprego de um jornal?

Submarinos

Agora são os submarinos. É o que não falta: submarinos na vida política portuguesa. E não falo só de Paulo Portas.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Cagou e andou

Há quem já comece a inventar um conflito entre Belém e São Bento. Estas invenções são, como me recordou uma amiga: "merda na ventoinha". Se há merda, só nos resta uma solução: pegar em esfregonas, baldes de água, detergentes, pás e vassouras e deixar tudo num brinco. Para problemas de merda encontram-se sempre soluções de merda. Mas sabemos que são as possíveis. Há coisas maiores para resolver. Para estas merdas... caguei.

Ai, os imortais...

É por estas e por outras que eu sou amigo do João Gonçalves. Discordâncias? Sempre. Parvoíces? Nunca. Pode parecer que não, mas estou de acordo com isto.
Um dia destes vamos comer umas sopas ao 1º de Maio ou ao Fidalgo, para pôr o teclado em dia.
Até já.

O Marco Paulo da política


Olha, afinal não havia nada. O Presidente da República, que fala sempre à Marco Paulo, na terceira pessoa do singular, fez uma leitura pessoal. Nada de especial. Mas então e Lima? Nada. O Presidente disse e repetiu que tem "sérias dúvidas" sobre os motivos da publicação do e-mail. Enfim, não percebi a razão desta comunicação. Para dizer isto podia ter ido a um programa do Malato. Se é palhaçada é palhaçada.
Agora falta uma comunicação do Público.

Todos juntos

Santana esteve com a sua gente. Um imenso grupo de taxistas teve o prazer de jantar com o seu líder autárquico.
Bom proveito.
E boa viagem.

45 anos


Parabéns, senhora dona Mafalda.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Democratas


Afinal parece que foi o partido de Sócrates que perdeu. Até já li algures que foi em toda a linha. Não percebo esta linha de pensamento. Se a doutora Manuela tivesse ganho (lagarto, lagarto), por apenas um ou dois pontos percentuais, não ganhava as eleições? Ou, pelo contrário, andariam ou não as luminárias do costume histéricas de alegria?
Resumir-se uma vitória de um partido que governou com as maiores adversidades de que há memória, com tentativas de assassinato de carácter do seu líder, a uma derrota estrondosa e em toda a linha torna os argumentos destes "vencedores" ridículos.
Será que só a maioria absoluta vale? Será que estamos rendidos às opiniões do espécime do Funchal que decreta o que é governável? Vamos continuar com estes exemplos de Democracia?
Tenham dó.
Ainda há, do lado de lá, quem enteda as coisas como os do lado de cá. Nem todos os do lado de lá entortam a vista quando não querem ver. Há vida inteligente em todo o lado. Essa é que é essa.

E agora...

domingo, 27 de setembro de 2009

Vitórias

É engraçado: a perda da maioria absoluta de um partido é a vitória dos outros todos. Pouco para festejar, não?

Responsabilidade

Felicidade? Nem por isso. Prefiro que se entenda este resultado como responsabilidade e noção da realidade. Nunca esperei ficar imensamente feliz com os números divulgados às oito da noite de hoje. Mas fico contente, sim. As eleições não são um desafio de futebol. E a política não é um campeonato. É muito mais importante do que isso. Este resultado não é um fim. Agora é que tudo vai começar. Em primeiro lugar vamos esperar que o Presidente fale de qualquer coisa "político-partidária". Já não há desculpas. E depois vamos esperar pelo novo governo. O que nos reserva o futuro pode não ser do melhor, mas deverá ser diferente do que tivemos até agora.

Vencedores

A abstenção consegue chegar quase aos 40%. O partido do"são todos iguais", "só neste país", "o que eles querem é tacho" ganhou as eleições com larga vantagem.

sábado, 26 de setembro de 2009

Reflexões

Estou submerso pela mais profunda das reflexões. Desde que a doutora Manuela apareceu como arauto de ideias das profundezas que só imagino e desejo a sua humilhação eleitoral. É nisso que reflicto. E é isso que espero que aconteça amanhã.

Praxis

A mãe de um aluno assassinado durante uma praxe, processou a universidade onde o seu filho frequentava o 4º ano de arquitectura. A Universidade Lusíada foi condenada ao pagamento de uma indemnização. É claro que este pagamento não dá vida à vítima. Mas é um passo para a correcção da parvoíce. As universidades existem para transmitir conhecimento e não estupidez.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Refeitório

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Adivinhos

O partido da doutora Manuela assegura que se Sócrates for primeiro-ministro o governo dura ano e meio, dois anos. Quem fez a premonição foi o professor Marcelo. Como se o contrário, ou seja, com um PSD eleito com meia dúzia de votos de vantagem, o governo fosse para durar. Mais: o que leva esta gente a achar que alguns só sabem governar com maioria absoluta? Está escrito que é assim? O exemplo cavaquista vale? Giros, estes apologistas da "política de verdade". Mas agora parece que está tudo esclarecido: com Cavaco em Belém, a oposição bem pode ir de férias.
Nota: o professor Marcelo acima referido não é um daqueles profissionais que adivinham o futuro e são divulgados em papelinhos impressos a preto e branco, distribuidos à entrada do Metro. Não é. É um senhor que tem banca montada na RTP1, aos domingos, e é menos rigoroso do que esses.

Outras asfixias

O que me diz a isto, camarada Mário Nogueira?
E a doutora Manuela, ainda se lembra?

Clique na imagem para ampliar.
Via Der Terrorist

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Sem medos

Academia


Chegaram as praxes académicas.
A cidade está infrequentável.
Os idiotas do futuro invadem as ruas.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Coexistência estratégica


A doutora Manuela tem um conhecido pendor para a trapalhada e o gosto duvidoso. São conhecidas as suas tropelias verbais. Para ilustrar o caso do momento recordo estas suas palavras: "Não quero saber se há escutas ou não há. A verdade é que as pessoas sentem que há".
Percebe-se assim que a doutora Manuela e o senhor que está no Palácio de Belém entendem-se na perfeição. Para o bem e para o mal? Não. Para o bem deles.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Desafios



O José Simões foi desafiado por outros companheiros de bloga.
Agora acha que vale a pena ficar de olho neste blogue e desafiou-me a mim. Tenho que propor cinco vizinhos.
Aqui vão: Ana, Sofia, Tomás, Rui e Luis.
Obrigadinho ao Zé, e felicidades para todos.

Lima na Engrenagem


O Presidente fez bem em demitir o assessor.
Os linguareiros não devem andar perto dos lugares de Estado.
Ficamos é sem saber se Cavaco tem ou não culpa no cartório.

Asfixia

Provavelmente Joaquim Vieira tem razão. Há uma agenda política escondida nos cofres do Público. José Manuel Fernandes falou com o patrão no Diga lá Vocelência. O patrão entretanto já avisou que ninguém tem nada que dar ordens na casa dele. A doutora Manuela ouviu, concordou e alardeou. Agora é o que se vê: um desassossego com nítidas intenções eleitoralistas. Para a "política de verdade" da doutora Manuela tudo vale. E a mulher não se cala com estas asfixias.
Que asfixia, de facto.

Lima na engrenagem

A gente sabe que o Presidente Cavaco acha a política um enfado. Também sabemos que por tudo e por nada não comenta nada. Mas, se permite a sugestão de um português que, com todo o respeito o respeita como Presidente, não acha que o seu assesssor Lima já devia ter ido para casa? Sabemos que o homem o acompanha desde que o senhor anda a sacrificar-se pelo País, mas, veja lá, às vezes é melhor estar só do que menos bem acompanhado.

domingo, 20 de setembro de 2009

Cromos eleitorais

As campanhas eleitorais trazem sempre os cromos do costume. É sempre bom rever Carmelinda e Aires Rodrigues na sua luta contra as injustiças que nos agridem. São os cromos que temos para a troca e ninguém os quer. Depois há os cromos integrados. Apolónia dá a cara por um partido que a CDU insiste em fazer existir, mas não existe. Disfere as banalidades habituais e desanda, usando o tempo da coligação. Há também os fascistas do PNR, que nesta campanha usam uma linguagem minimalista, bem consonante com a sua inexistência. Mas hoje, ao convocar a paciência para assistir a um tempo de antena, deparei com a jornada de uns tais "pró vida". É qualquer coisa que nos quer pôr a fazer filhos de empreitada. Acham qua a vida é o que mais interessa - até aí tudo bem -, mas o que mais me impressionou foi a expressão daquela gente: pareciam estar a morrer. Para quem fala de vida, não é aquela, de certeza absoluta, a melhor forma de nos convencerem dos benefícios das suas propostas. Aparecem mais como um grupo de candidatos fartos da vida. Provavelmente não entendem a vida tal como ela é hoje. Deve ser isso.

Deambulatório

A asfixia democrática pode voltar, caso a doutora Manuela ganhe as eleições. No seu tempo, e de Cavaco, isso aconteceu. Há vários medos, pelos vistos. No que me toca, prefiro que a doutora Manuela tenha medo. Pelo menos o medo dela não é verdadeiro. É hipocrisia e má consciência.
E agora as recomendações:


Raúl Vaz Económico.
Eduardo Pitta Da Literatura.
José Simões Der terrorist.
Tomás Vasques Hoje há conquilhas.

Adeusinho. Bom domingo.

sábado, 19 de setembro de 2009

Campanha criativa


Chegaram as vedetas. Alegre foi dar uma mãozinha a Sócrates. Marcelo Rebelo de Sousa está muito contente por apoiar a doutora Manuela. Para o concretizar, levou um papelinho e leu tudo muito direitinho para não se enganar. Para os próximos dias vai entrar em cena Mário Soares. A coisa está equilibrada: como Cavaco entrou em campanha já há uns meses...

Os independentes

Três movimentos "independentes" de professores manifestaram-se hoje em Lisboa. Não querem influenciar o voto, mas votar em Sócrates nunca. Uma professora, entrevistada por um repórter da SIC, diz que sempre votou PS mas agora nunca mais o fará. O repórter pergunta-lhe se se lembra de quando era ministra Manuela Ferreira Leite. Diz que sim. E contestou nessa altura as suas políticas? Pergunta o homem da SIC. "Não, não o fiz". Ok, percebido.

Fruta do mesmo saco

Foi preciso chegar a Belém um militante do PSD para que a Presidência se tornasse um lugar vulgar. Se a doutora Manuela formar governo, podemos contar com muita trapalhada da mesma igualha. Isso está garantido.

Refeitório

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

E não nos dá cavaco?


Se a primeira página do DN está certa, Cavaco devia dizer qualquer coisa. Ou será que, por estarmos em campanha eleitoral, comentar argoladas próprias enquadra-se naquela tanga do "não comento assuntos político-partidários"?

Jovens do vasto mundo...


O meu comentário à demissão de Domingos Lopes do PCP, provocou um corrupio na caixa de correio electrónico. Lembra-me quem me conhece que eu próprio fui do PC, e que nasci depois da invasão da Checoslováquia. Logo, devia estar calado. Estive inscrito no PC, é facto, entre os dezoito e os vinte e nove anos. Nunca fui muito "soviético", nem grande apologista do centralismo "democrático". As chinesices maoístas não eram apreciadas e a Coreia do grande líder não ocupava nem um segundo das nossas preferências. Nunca fui organizado. Era mais "bonecos" e menos política activa. Activo sou mais agora. Na opinião, é claro, e com toda a independência. A diferença entre mim e Domingos Lopes está no tempo em que as coisas acontecem e nos lugares de responsabilidade. Eu saí há mais de vinte anos e de mansinho. Ele saiu só agora, com alarido. Os meus amigos centralmente e democraticamente organizados na estrutura cada vez mais estalinista sabem bem disso. Mas a vontade de lutar contra os traidores aos ideais das auroras cantantes soam alto. Registo e lamento.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Olivença é nossa


O discurso patriótico da treta entrou no desfile eleitoral. Não há cão nem gato que não opine sobre a incursão dos espanhóis na nossa vidinha. Até os idiotas úteis (estava em pulgas para usar esta expressão), estão em polvorosa. A coisa estava esbatida, mas a doutora Manuela, que não gosta de ser criticada, muito menos pelos hermanos aqui da lado, fez o favor de a puxar para a agenda. Só falta Olivença. É agora ou nunca.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Vote TGV


É estranho que seja um comboio a movimentar uma campanha eleitoral. Mais estranho ainda se torna quando a campanha se estende a toda a Peninsula Ibérica. A doutora Manuela está orgulhosamente só na contenda. Nem os seus amigos espanhóis a defendem. Pois, quem a mandou encetar o discurso patriótico da treta?

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Paredes de vidro

Domingues Lopes zarpou. Fartou-se de brincar à política e aos políticos e disse adeus ao seu partido de quarenta anos. Segundo o que pensa, e revela na carta hoje divulgada no Público, não faz sentido pertencer a um partido que não condenou a invasão da Checoslováquia, e que ainda apoia regimes inenarráveis onde é praticada a censura e exercida a repressão. A invasão checa deu-se em 1969. E os regimes comunistas tirânicos estão instalados com toda a pompa. Causa alguma interrogação só pensarem isto na idade da reforma, depois de tanto ano de militância. É que há militâncias que prejudicam o País. E as nossas vidas. Não nos peçam para respeitar tudo o que pensam. Apesar de, pessoalmente, respeitar esta saída. Seja bem-vindo à realidade, Domingos Lopes.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Quem ganhou o debate?

Que grande desassossego anda no burgo por causa da vitória no debate. O pessoal esquece-se que aquilo não foi uma disputa desportiva. O desporto é bonito mas é outra coisa. Ali discutem-se ideias e a falta delas. Nos debates políticos não há prognósticos nem no fim do jogo. Ganha quem a gente quer que ganhe. Eu acho que Sócrates foi mais correcto e assertivo. A doutora impressionou com uma prestação desastrada e recheada de gosto duvidoso. Digo eu, que não suporto gente que se julga superior a outra gente: sejam eles espanhóis, caboverdianos, ucranianos, homossexuais, intelectuais, míopes, e outros géneros que são diferentes da doutora. A doutora quer estar só com os da sua laia. Cá por mim faça favor. Até prefiro assim.

domingo, 13 de setembro de 2009

O que pensará Durão?

Parece que em Espanha viram o debate de ontem. E não acharam grande laracha às intenções da senhora doutora Manuela. O ministro espanhol responsável pela instalação do TGV ficou preocupado. De facto, há muito que não se ouvia esta aspereza para com o "domínio espanhol". A não ser nas tascas e nos táxis. A doutora Manuela já remou para trás. Diz que vai negociar caso seja eleita. Toda esta polémica levanta-me uma dúvida: o que pensará Durão Barroso desta embirração da sua companheira de partido?

Falta de chá

O nível pouco requintado da doutora Manuela ficou ainda mais saliente quando disse para José Sócrates que ele era capaz de "matar o pai e a mãe para dizer que é orfão". Ainda se ouviu Sócrates balbuciar um "que mau gosto". E é. A doutora Manuela poderá saber muito de uma certa Economia. Também parece que sabe muito de futebol. Mas falta-lhe alguma preparação para enfrentar adversários políticos. Não gosta que a critiquem. É por isso que lançou aquela da "suspenção da Democracia" para fazer as reformas. Não lhe passou pela cabeça, naqueles breves instantes, que as reformas só se fazem em Democracia. Estará preparada para governar um País? Não da maneira que eu gostaria, mas, se tal acontecer, ofereçam-lhe um manual de boas maneiras. Anda ali muito azedume e falta de chá.

Experimenta'09

É o grande acontecimento que, em Lisboa, nos recorda que o Design agarra o mundo e fornece-lhe compreensão e utilidade. Este ano as iniciativas repartem-se por vários locais da cidade. Para experimentarem é melhor consultarem o programa. Está aqui.

sábado, 12 de setembro de 2009

O debate

A doutora Manuela não gosta que se manifestem contra ela. E sugeriu a Sócrates que avisasse os "seus amigos" da fronteira que acabassem com manifestações que a hostilizam devido à sua posição sobre o TGV. Sócrates mostrou surpresa. Eu também fiquei surprendido. Depois de se vangloriar com as manifestações dos professores, e depois da indignação por causa da decisão da administração da TVI, a doutora Manuela adverte: contra ela outro galo cantaria. MFL chegou a dizer que era Sócrates que estava a ser julgado. Para ela, o que aconteceu ali foi um julgamento. Esquecendo-se de que o "julgamento" é dia 27. Vaga e arrogante. Sempre foi. Ainda nos lembramos da ministra da Educação que conseguiu juntar professores e alunos contra as suas políticas. E quanto às Finanças... que exemplos aponta? E depois ainda há a impertinência com as pessoas de outras geografias; já cá se sabia que não morre de amores por gente de Cabo verde e da Ucrânia. Hoje soubemos que os espanhóis também não são flores do seu canteiro. Um governante tem de ter os pés no Mundo. MFL não quer saber disso para nada. Uma candidata a primeira-ministra que se contradiz a cada minuto. Eu gostava muito que MFL nunca formasse governo. Dito isto... acho que Sócrates ganhou o debate. Mesmo com o desgaste da governação e da crise pegado à pele. A inabilidade da doutora Manuela ficou provada.

O humor invade a política

Berlusconi diz que é o melhor primeiro-ministro em 150 anos. Não conheço a história de Itália com o rigor que me permita discordar. Mas, se ele é isso... pobre Itália.

O rico deve estar a gozar, não?

Alexandre Relvas, treinador de políticos de sucesso, diz que as pessoas têm medo de dar a cara. Ele, pelo contrário, deu a cara até mais não no tempo em que era "mister" de Cavaco. Agora parece ser comentarista desportivo. Fala do que quer que a gente veja. E faz-se esquecido dos tempos em que era Cavaco a jogar. A memória não é boa conselheira.

Arte de ser português, mesmo fora de prazo


Jorge de Sena voltou à terrinha. Não se sabe se contrariado ou não. Está morto. Eduardo Pitta aborda aqui a coisa com talento. Como Sena merecia.
Eu, humilde larápio, limito-me a recordar estes versos de Jorge de Sena a que José Afonso acrescentou música.
Ora oiçam:

Epígrafe para a Arte de Furtar

Roubam-me Deus
Outros o diabo
Quem cantarei

Roubam-me a Pátria
e a humanidade
outros ma roubam
Quem cantarei

Sempre há quem roube
Quem eu deseje
E de mim mesmo
Todos me roubam

Quem cantarei
Quem cantarei


Roubam-me Deus
Outros o diabo
Quem cantarei

Roubam-me a Pátria
e a humanidade
outros ma roubam
Quem cantarei

Roubam-me a voz
quando me calo
ou o silêncio
mesmo se falo

Aqui d'El Rei.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Refeitório

Os messias

Ainda bem que há gente com certezas. Ainda bem que há gente feliz e que sabe onde está "a" Razão. Depois do debate entre Jerónimo e Sócrates, ouvi uma transmissão em directo, da Festa do Avante, em que os foliões garantiam que Jerónimo tinha ganho a contenda devido à razão e honestidade que o acompanham. É a força dos amanhãs cantantes. É a superioridade moral ao rubro e em precioso exercício da liberdade colectiva.
Também Portas já ameaçou o eleitorado com o seu "não basta ter razão, é preciso votar". A doutora Manuela assegura que a verdade está plantada no seu jardim. Tanta Razão e Verdade conferem conforto a estes dignos representantes da Felicidade. Mas incomodam outras razões e vontades. Entre outras, a vontade de perceber a razão de ainda se pensar assim.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Uma arca no sótão


O encontro de ontem entre Ferreira Leite e Jerónimo não trouxe nada de novo, tal como se esperava. Manuela e Jerónimo não têm nada a acrescentar ao debate. Concordam em temas clássicos: oposição ao governo, a já famosa asfixia democrática, o combate ao desemprego e também o combate à corrupção (Manuela Ferreira Leite ainda irá a tempo de tirar António Preto da lista de candidatos?). Enfim, as normalidades do costume. Mas depois também houve anormalidades: democracia real na Madeira, luta de classes e mais a defesa do pobre do povo português que se deve à intensa luta dos camaradas do PCP. Como dizia Carlos Zorrinho no twitter: este debate podia ser transmitido na RTP Memória.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

O carro de Manuela

Há razões que nunca mais acabam para dar na cabeça da doutora Manuela, mas esta coisa do carro oficial na Madeira... Até parece que há por aí quem entre no jogo da senhora. Tudo vale.
Haja juízo.

No melhor pano...

E agora a doutora Manuela recorda que Jaime Gama está inscrito no clube de amigos de Alberto João Jardim. O outrora Bokassa foi mais recentemente elogiado pelo presidente da Assembleia da República.
No melhor pano cai a nódoa.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

O jardim da Manuela

Manuela Ferreira Leite diz que não há asfixia democrática na Madeira. Respira-se o ar puro da Liberdade plena. A doutora Manuela tem uma estranha concepção de Democracia. Mas é a dela. A senhora sente-se bem naquela atmosfera. E sabe o que se passa por lá. Ainda bem que Alberto João Jardim inaugura e reinaugura. Persegue e ofende. Insulta e silencia inimigos (como ele diz), sem ter necessidade de suspender a Democracia. Abençoado.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Aventuras, cumplicidades e outras artes


Regresso ao desaparecimento de João Vieira. O meu amigo André Gago recorda o pintor com este excelente texto. Era minha obrigação contribuir para a sua divulgação.

Conheci o pintor João Vieira em 1986, quando empreendi a minha primeira grande aventura como encenador e produtor de teatro, ao criar o Teatro do Triângulo e adaptar “O Físico Prodigioso”, de Jorge de Sena. As máscaras portuguesas (as máscaras em geral) tinham acabado de entrar na minha vida, graças ao livro/catálogo de Benjamim Pereira, e mão amiga apresentou-me ao João Vieira, a quem pedi que criasse as máscaras para o espectáculo, que abria com uma cena de caretos. Era uma aventura desendinheirada, e o João Viera tratou connosco com a grandeza simples dos Mestres a quem a mesquinhez desinteressa. Na altura, valorizei muito a sua generosidade porque estava precisado dela. Hoje, valorizo-a também na medida em que constatei que essa grandeza é rara. Das máscaras, ficou uma pequena colecção incompleta (três delas foram, na altura, levadas à socapa por artistas que se sentiram credores...), colecção que foi tendo uso variado: comecei por procurar classificá-las de acordo com as características fundamentais das máscaras portuguesas tradicionais em que se inspiraram; depois, realizei cursos no saudoso Meia Preta, nos quais elas serviam de matéria de pesquisa teatral; em 1991, elas foram as máscaras do Desfile de Caretos, que percorreu ruas de várias cidades e vilas; e quando se realizaram as primeiras exposições sobre a máscara portuguesa que procuravam reflectir o trabalho de investigação que eu ia desenvolvendo em torno do tema, as máscaras do João Vieira complementavam com a visão de um artista maior da pintura portuguesa as fotografias que constituíam, então, o núcleo central da exposição. Foi assim que as máscaras do João Vieira foram vistas em Anderlecht, na Bélgica, numa espécie de Europália-off, mas também no Palácio Foz de Lisboa e noutras pequenas exposições pelo país. Depois, passei a usá-las apenas e pontualmente nos cursos de formação para actores com máscara que fui leccionando aqui e ali. No final de 2006, o João Vieira levou-as para Bragança, onde as mostrou na sua exposição Caretos II. Por essa ocasião, o seu amigo Manuel Pires filmou uma espécie de performance no Teatro Instável, na qual eu improvisei com as máscaras que ao longo dos anos fui aprendendo a conhecer. Lembro-me que o João se ria, enquanto eu, teimosamente inseguro, ia fazendo as minhas cabriolas. Há anos que eu vinha pensando num modo de usar essas máscaras num contexto que não queria que fosse exactamente teatral, mas antes um tanto ambíguo, mais próximo da performance. As filmagens do Manuel Peres estimularam-me a avançar. Há meses que andava a adiar a visita ao novo atelier do João. Tinha-lhe dito que tinha umas ideias, e que ia precisar da colaboração dele. Queria casar as máscaras com o seu universo pictórico, criando uma performance híbrida onde as tecnologias - de que ele se apropriou sempre com desembaraço - ajudassem a combinar pintura e actuação ao vivo. Era a oportunidade de desafiar o João, que gostava do teatro e que lamentava não lhe pedirem mais trabalhos para a cena, para uma aventura a dois. Na voragem dos dias, fui adiando essa conversa. Hoje, recebi a notícia do seu desaparecimento. Não sei como conviver com esta sensação de ter adiado o essencial. À medida que o tempo passa, e os amigos começam a desaparecer na noite irreversível, as nossas prioridades na vida vão-nos parecendo, no mínimo, irrisórias. Mas os amigos deixam-nos sempre cedo demais. Na verdade, eu e o João convivemos mesmo muito pouco. E não foi apenas nos últimos meses: sempre nos vimos raramente. Mas eu esperava ainda muito. Além de ter sido o primeiro a povoar a minha vida de máscaras, o João deixou-me uma derradeira lição: a de que não podemos adiar a cumplicidade.
Publicado por André Gago no Blog Instável.

domingo, 6 de setembro de 2009

Olhe que não, doutora

Ao contrário de Jerónimo, Louçã estuda a lição. Não actua por dogmas. Há muito que os "amanhãs que cantam" não fazem parte do seu discurso político. Conseguiu demonstrar que as ideias da doutora Manuela são vagas. Ela própria não as fixou. As propostas para a Segurança Social foram mal estudadas pela doutora. Louçã aludiu ao que lá está, de facto: o lado perverso da privatização dos recursos. A doutora parece que não leu o vago programa de Governo que apresentou. Lê pouco. Provavelmente está mais interessada nos resultados do Sporting. E muito pouco virada para as ideias de Alexandre Relvas. No que diz respeito aos casamentos diferentes e uniões de facto, a doutora Manuela foi clara: o sexo é para procriar, com todo o respeito por quem não pode procriar. O direito ao prazer não faz parte do catecismo da doutora. Sinceramente! Quem quer esta senhora em primeira-ministra?

Mundivisão


Discurso na Festa do Avante - Jerónimo assemelha-se cada vez mais a um pastor evangélico. Fala de coisas que já nem nos passam pela cabeça. Ainda recorda solidariedades internacionalistas e avanços do socialismo no mundo. E mais a América Latina, que é um ninho de liberdades. Que imprensa lerá o líder do PCP? Que visão do mundo é esta? Se calhar, é por estas e por outras que ficou incomodado com a suspensão dos comícios da dra Moura Guedes e faz disso bandeira. É só mais uma entre as muitas bandeiras esfarrapadas que agita.

Voltar atrás para quê?


Ana Gomes diz que a presença de Luís Amado no aniversário da tomada do poder por Kadhafi é uma vergonha para Portugal.
Também acho. Não havia necessidade...

Afazeres

Esta falta de comparência de Santana Lopes na convenção autárquica do seu partido, e a desculpa que arranjaram - um problema que teve na campanha dele -, lembram aquela peça dos Gato Fedorento, em que o personagem de Ricardo Araújo Pereira informa o director da empresa onde trabalha que vai ter de faltar por questões profissionais.
É coisa para rir, portanto.

sábado, 5 de setembro de 2009

Política de verdade, pois claro

Manuela Ferreira Leite diz que nunca se saberá o que se passou na TVI. A ideia é clara: prolongar a suspeita mesmo que as dúvidas estejam esbatidas. É a política de verdade da doutora Manuela. Temos que lhe perdoar. Ela não sabe fazer melhor.

Sócrates/Jerónimo

O debate foi suave, muito suave. Não houve grande confronto. Sócrates explica-se melhor. Jerónimo é fraco, muito fraquinho. Desta vez não ficou afónico, mas falou baixinho, muito baixinho. Só aconteceu uma insinuação: Jerónimo pôs na mesa o caso do jornaleco ordinário de Manuela Moura Guedes. Eu percebo que ele gostasse daquilo, mas escusava de fazer a sua defesa. E não creio que acredite numa intervenção do Governo na coisa. O homem não é estúpido. E é melhor não nos lembrarmos de como se porta o partido de Jerónimo com a imprensa quando experimenta o poder. Enfim, um debate que não o foi. Esperemos que não saia daqui uma futura coligação governamental. Não gostava de ver o País transformado numa Grande Festa do Avante. Que é uma festa grande, muito grande, mas não é uma grande festa.

João Vieira



Morreu hoje o pintor que descobriu que as letras são um bom objecto visual. Um grande artista plástico. E um grande português.

Deambulatório

O estranho caso da ex-cantora, ex-deputada do CDS/PP, ex-radialista, ex-apresentadora, ex-jornalista, ex-pivot de jornal televisivo, e futura ex de outra coisa qualquer, comentado por quem eu gosto de "ouvir" comentar.
Fátima Rolo Duarte F- World
José Simões Der Terrorist
Eduardo Pitta Da Literatura
Tomás Vasques Hoje há conquilhas...
Sofia Loureiro dos Santos Defender o Quadrado
Miguel Vale de Almeida Os tempos que correm

E ainda a opinião de Pedro Rolo Duarte sobre as "coisas pequenas".
Pedro Rolo Duarte

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Refeitório

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Branco mais branco não há.


Esta tramóia que agora emergiu na TVI despertou cinismos vários. É claro que, se fosse Sócrates a encomendar a demissão de Manuela Moura Guedes, seria condenável. A liberdade de expressão estaria em perigo. Ninguém de seu perfeito juízo acredita nisso. Nem mesmo o insuspeito Luis Delgado, que acabei há bocado de ouvir na SIC-N. Nem Luis Filpe Menezes, que está lá agora. Mas estas coisas dão jeito a gente como Aguiar Branco, que encerra o assunto acusando o primeiro-ministro. Concordo com Sócrates: é urgente que quem decidiu esta estupidez se pronuncie. Aguiar Branco faz parte de um exército que é capaz de fazer as figuras que forem precisas. Mas raramente tem substância no seu combate. Branco mais branco não há.
O trabalho sujo começou hoje. E vai ser muito sujo.
Sugestão: Ler comentário de Sofia Loureiro dos Santos no defender o quadrado.

A pão e laranja


Ouve-se por aí dizer que o programa do PPD/PSD tem coisas interessantes. Tem. De facto, o País passa a não gastar nada em porcarias como cultura, obras públicas e outras banalidades irrelevantes. Para o Estado fica o papel de contabilista: pega num lápis e faz as continhas. E nós, os bafejados por esta sorte, ficamos a pão e laranja?
Imagem João Coisas, via simplex.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Portas perde porque se esquece

Paulo Portas acusa Sócrates de ter alterado regras de segurança, esquecendo-se que ele próprio as votou no Parlamento. Paulo Portas foi ministro de um governo trapalhão e betinho. As políticas sociais não contavam. Agora diz que as políticas sociais sabem a pouco. Este Portas tem jeito para a pantomina. Será que o tempo está de feição para pantomineiros?

A lata da Carolina


Já cá se sabia dos luxos privados praticados por expostas vedetas. Muitas das celebridades que dão o cú e oito tostões para aparecer nas vitrines, têm treinadores pessoais e outros assistentes para afazeres pouco consentâneos com a sua superior existência. Agora soubemos que uma dessas vedetas até tem uma funcionária que exerce a nobre tarefa de retirar os caroços do interior das cerejas. Essa grande figura dos monitores electrónicos foi escolhida para mandatária da juventude da campanha do PS para as eleições que se avizinham. O que dirão os jovens socialistas a esta atitude de tão elevado pendor discriminatório? Ou então podemos ver a coisa por outro canudo: a jovem mandatária cria assim um posto de trabalho e colabora no combate ao desemprego. Não se sabe se o primeiro-ministro sabia da extravagância da menina Patrocínio. Se esta última hipótese é a verdadeira, é provável que o soubesse.

Agora a sério: de qualquer modo é exagerado o que por aí se diz da "piquena". a mocinha é apresentadora de televisão. Os apresentadores de televisão podem dizer o que ela disse e muito mais. O problema é político. É aí que causa transtorno. A mandatária a umas eleições nacionais, de um partido que pretende governar, não pode patrocinar disparates a torto e a direito como fez a nossa Patrocínio. Nem pode, sendo representante de um partido democrático, garantir que prefere fazer batota a perder. Devolvam a garota à televisão e deixem as coisas sérias para quem as leva a sério. Também pode regressar à escola. Fazia bem.

Paz e amor


Na qualidade de campeã do diálogo, a doutora Manuela promete mudar o modelo de avaliação dos professores. Quer uma coisa que ponha toda a gente de acordo. Promessas tão optimistas e tolerantes fazem-nos lembrar as declarações das candidatas aos concursos de beleza: paz no mundo, amor aos animais e mais não sei quê. Só que a doutora Manuela não é candidata a "miss" coisa nenhuma. Está na cara.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

O passado e o futuro


Paulo Portas não descansa. É o mais esforçado amigo dos pobres e espoliados. As soluções saem-lhe das mangas da camisa. É só desapertar os dourados botões de punho e chamar as televisões. Tanta disponibilidade para os descamisados comove. Portas é uma espécie de Evita de calças. Agora até decide quem é do passado e quem almeja por um futuro melhor. Ele está entre os segundos, é claro. O homem anda a adivinhar o futuro há décadas.
Um dos presságios está no slogan: "Cada vez há mais pessoas a pensar como nós". Seria preocupante, se não fosse ele figura de um conservadorismo serôdio envolto em coloridas roupagens. Só que o colorido é de má qualidade, e esvanece logo que surgem os cortinados do Poder. É sempre assim.

A manageira


Verifico que, ao regressar do meu voluntário e dourado exílio, o estado das coisas mantêm-se sem alterações. Sócrates ainda é primeiro-ministro, o Presidente continua Cavaco, o Jardim do Funchal continua boçal e os professores continuam esperançados num futuro sem a ameaça das avaliações. A surpresa está na doutora Manuela: resolveu fingir que não foi uma das mais arrogantes governantes, de um dos mais arrogantes governos do País, e agora propõe-se ser a mais dialogante das manageiras. Acredita quem quer.

Olá cá estou eu

Estive fora. Não do País, mas daqui do blogue, do facebook e do Twitter. Ir para fora, dito cá dentro, é sair de Portugal. Não saí. Andei por cá. Cumpri os slogans patrióticos e poupei umas massas. Um cidadão português exemplar, portanto. Agora aturem-me. Até já.
+