segunda-feira, 29 de setembro de 2014

QUANDO TUDO ARDE | Em França a direita obteve maioria absoluta no Senado e a extrema-direita elegeu dois espécimes. Hollande já não faz ali nada. Tudo desaba à sua volta. Já está a limpar as botas e a arrumar a escova de dentes. Mas o problema não é o presidente em si, é o que ele representou e agora não existe. A aplicação pela esquerda dos ajustes cegos da direita dá nisto. O conceito esquerda-direita ainda faz sentido, ao contrário do que nos impingem os arautos do neoliberalismo. Mas para fazer sentido tem de haver diferenças. A direita corrige a manutenção e alargamento dos grandes interesses e a esquerda percebe que não pode ser assim. Há mais gente no mundo. A vida não é o "quem quer ser milionário". Quando isto não se nota emerge o discurso do "são todos iguais". Não pode ser.
Notícia Expresso
facebook
+