terça-feira, 28 de janeiro de 2014



JUSTIÇA PARA QUE TE QUERO | Ouvir o juiz Rangel, no papel de comentador, aligeirar as práticas praxistas e assegurar que o caso do Meco não merece investigação, é de deixar um cidadão em estado de sítio. E ouvir Marinho Pinto, no mesmo programa, em pose de conservador de serviço, proferindo opiniões de trazer por casa como se fossem a imposição da Justiça no mundo, é arrepiante. É que os homens são causídicos de topo. Ainda há quem nos diga que podemos confiar na justiça portuguesa.
facebook
+