quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011



LIVRO DE RECLAMAÇÕES | No passado dia 29 de Dezembro, trouxe para aqui um problema que me estava a incomodar: falta de estacionamento, por excesso de parques pagos, e consequente inutilidade dos ditos (colocação de moeda de 2 em 2 horas), já que se não servem para colocar as viaturas das criaturas (como eu) que se deslocam diariamente para Lisboa, não servem para nada. Também referia que os parques da estação ferroviária se encontravam encerrados. Ora aí está o motivo deste novo post - um dos referidos parques está democraticamente aberto e ao dispor das viaturas de cada um. Uma freguês atento alertou-me para esta atitude civilizada. O problema é que a coisa parece provisória. É que está lá instalado um casinhoto que parece mesmo vocacionado para empregar um vigia com vista ao controle de entradas e saídas. Logo, a coisa provavelmente deverá passar a entrar nas nossas declarações de despesas, mais dia menos dia. Mas enquanto o pau vai e vem...
Quanto ao negócio do parque explorado financeiramente (na foto) e possível de utilizar em outra entrada da estação, continua tão vazio como a boneca insuflável que me ofereceram num dia de aniversário aqui há uns anos. Diferenças: da boneca já nem me lembrava; mas aquele parque vazio agredia-me a inteligência. Agora já me estou borrifando: tenho onde estacionar e o dito parque não é negócio meu. Esclarecido.
+