sábado, 30 de outubro de 2010



FUMO SEM FOGO | Fim da novela. Ministro e negociador representante do mais votado partido da oposição, assinam acordo. Tanto enleio para que o tal partido da oposição se abstenha. Grande coisa. O que terá acontecido naquele encontro com os donos da Europa, para que tudo se tenha afinal resolvido num abrir e fechar de olhos? Parece que tudo isto foi previsto em guião de novela. Houve de tudo: desavenças, queixinhas, acordos, cenas de ciúmes, custos milionários com produção, carros de luxo a abrir e fechar portas, visitas a casas de sonho em bairros exclusivos, zangas entre pares, birras, viagens, puxões de orelhas e acordo final com final feliz. Digam lá: para novela de costumes não está nada mal.

Só mais esta: Eduardo Catroga mostra para as televisões, no seu blackberry, fotografia do encontro com Teixeira dos Santos. Teixeira dos Santos lamenta não ter fotografias do encontro. E se pelo menos não fossem ridículos?

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

TODAS SONDAGENS | O desporto favorito dos comunicadores profissionais regressa às primeiras páginas. O que era assim-assim há três semanas, mudou agora substancialmente. Não há dúvidas de que o PPD/PSD será imediatamente vencedor. A maioria absoluta está a um passo. Passos esfrega as mãos. A intervenção milagrosa da dupla Catroga & Frasquilho surtiu efeito. A habilidade política não é premiada, mas sim a sua oportunidade. Habituemo-nos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

POLÍTICA PRECISA-SE | Muitos dos comentários que aqui partilho são motivados pela política. Tenho da política a ideia de que é importante e que é a forma mais directa de resolver os grandes problemas. Ao perceber o que se passou durante os últimos dias na Assembleia da República, e ao ver agora o debate em directo entre Governo e oposição, chego à conclusão que a política nacional actual está entregue a um punhado de garotos que em nada estão interessados no futuro de coisa nenhuma que não seja o das suas próprias existências políticas. Tudo isto é irreal. E nada empolgante.


AUSTERIDADE | Cavaco não vai utilizar os meios tradicionais usados em campanhas eleitorais anteriores. Depois de outros tempos em que o folclore visual atingiu proporções de grande festival de cor, luz e ornamento, nada de cartazes gigantescos a povoar os locais estratégicos das cidades, vilas e aldeias do país. Estes produtos de comunicação não trazem nada de novo ao debate. Muitos são mesmo de qualidade pouco apreciável.
Vantagens: dinheiro poupado, ambiente mais protegido e ausência de poluição visual.
Motivo: crise a quanto obrigas.
Pergunta: não deveria ser sempre assim?

terça-feira, 26 de outubro de 2010

OE 2011 | A novela do momento, transmitida a partir de São Bento, está a perder audiências. O argumento é pobre e não convence grande coisa. Não há conflito. Não há suspense. Tudo é previsível. Se ao menos transmitissem em directo os momentos em que Catroga e Teixeira discutem as percentagens de IVA nos lacticínios, a gente sempre podia mandar uns palpites. Assim, com aquela porta pesada fechada, não temos achas para a fogueira da nossa curiosidade. Digam lá qualquer coisa. É que assim não há pachorra para tanta pasmaceira.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010



E A POLÍTICA, ESTÚPIDO?! | Os cortes na despesa pública colocaram na praça defensores acérrimos da extinção de tudo o que mexe. Claro que os exageros praticados e animados por sucessivas alternativas de poder alimentaram o gasto. Mas dizermos que tudo o que é público deverá ser penalizado não garante solução razoável. Alguns apreciados comentadores da geringonça televisiva quase que defendem o extermínio. Já ouvi uma das mais conhecidas e bem pagas dessas espertezas lamentar as remunerações que os funcionários recebem depois de reformados. Está bom de ver: vão para a reforma, não trabalham e ainda recebem. Estado Social é exercício supérfulo. Lamentável. Que tal uns fornos crematórios? Alguns comentadores, na maior parte economistas, grupo profissional que mais se engana, repartem a coisa em números e por aí se ficam. Para esta gente não há gente; só números. Tristes números.

sábado, 23 de outubro de 2010

sexta-feira, 22 de outubro de 2010



PRÉMIO SAKHAROV | Guilherme Fariñas foi reconhecido pelo Parlamento Europeu. Merecido prémio para quem se opõe a um regime que não gosta de oposições. No Parlamento português, deputados que levantam bem alto a bandeira da liberdade, votaram contra um voto de apreço por este "inimigo do povo". Estranha noção de liberdade. Ou talvez não. Povo há só um, o deles. Estes chatos só merecem desprezo.
Percebido. E desprezado.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

PRÍNCIPE IMPERFEITO | Um neto do rei da Arábia Saudita matou o seu criado para todo o serviço num hotel em Londres. As investigações policiais permitiram confirmar maus tratos vários ao homem que o acompanhava e servia de "saco de boxe" nas mãos de sua alteza. Lá na terra dele, caso fosse cidadão comum, seria condenado à pena capital por prática homossexual. Sendo príncipe, não passaria nem uma hora atrás das grades. Ao pedido de imunidade o juiz disse não: "ninguém está acima da lei". E disse muito bem.
MOMENTO MARINHA GRANDE | Serra agredido por apoiantes de Dilma. O candidato aproveitou o apoio dos seguidores do PT e cancelou próximas acções de campanha. Provavelmente o resultado final não será alterado, mas estas coisas dão sempre um ajudinha.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010



ENTRE BLOGUES | Tomás Vasques - Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos - respondeu à chamada e apareceu hoje no Fidalgo. Almoçámos, dissecámos o momento infeliz que vivemos e combinámos outros convívios. O João Gonçalves e eu somos reincidentes no repasto. Vamos continuar, assim o apetite nos convoque.


FAZER CÓCEGAS AO REGIME | A Câmara Municipal de Setúbal resolveu "pegar" no edifício onde funcionou o Círculo Cultural e fazer uma Casa da Cultura. Natália Abreu, do Público, pediu-me opinião sobre os funcionamentos do Círculo e também sobre as possibilidades de existência de uma estrutura semelhante à anterior. Pois não sei. O Círculo foi criado para preencher algo que não existia. Foi um lugar de cultura alternativa, fundado por gente com preocupações políticas e curiosidade cultural. José Afonso é importante referência na casa. Na altura (falamos de antes de Abril de 1974), fazer cultura era ser alternativo. Era ser do contra, como se dizia então. Agora não sei se faz sentido existir insistindo nos mesmos moldes. Os tempos são outros. E correm. Aplaudo a iniciativa da Câmara. Espero que a animação do projecto não caia em vulgaridades para preenchimento de relatórios, mas sim que seja intenso e que perceba como funcionam as estruturas culturais locais. Já agora que seja alternativo, seja lá isto o que for hoje em dia. Diferença precisa-se.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

RELATÓRIO E CONTAS | Boa noite a todos. Como é que está aquela coisa do orçamento? Há novidades? Há orçamento? Se quiserem empresto uma máquina de calcular. Já não se usa? O telemóvel sabe fazer contas? OK, então resolvam lá isso. Vou ver se durmo. Até amanhã.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010



O FIM DO MULTICULTURALISMO | A senhora Merkel diz que falhou a tentativa de podermos viver todos ao pé uns dos outros. A chanceler dá a entender que os forasteiros têm de respeitar os valores predominantemente cristãos. Os tais forasteiros acham que não. Acham que devem cumprir as regras que os seus gurus espirituais estimulam. Ora, quem é que pode ser prior numa freguesia destas? Eu pensava que bastava termos um cartão de identificação no bolso para podermos viver no mesmo prédio. A vivência e a harmonia entre povos de diferentes culturas é saudável e recomendável para que um lugar seja cosmopolita e civilizado. Compreende-se a exigência do cumprimento de regras. Se eu não posso questionar, num país árabe, o facto de uma mulher não se sentar comigo à mesa, também na Alemanha, ou em qualquer outro país do lado de cá, não faz sentido a "exibição" do rosto tapado por mulheres religiosamente intransigentes. O problema é que o diálogo entre radicalismos não permite tolerâncias. Com estas declarações da chanceler alemã voltamos à tolerância zero. É mau. Muito mau.


O DELFIM
| Marcelo Rebelo de Sousa anunciou hoje, a partir da sua tribuna televisiva, dia, hora e local em que Cavaco Silva vai apresentar candidatura. A Presidência, contactada pela imprensa, não confirmou a notícia orgulhosamente ditada pelo professor/comentador. O que terá levado Marcelo a querer pôr a carroça à frente dos bois? É confidente do Presidente? Está a treinar para porta-voz de Belém no próximo mandato? O que foi aquilo?

domingo, 17 de outubro de 2010

sábado, 16 de outubro de 2010

sexta-feira, 15 de outubro de 2010



AGUSTINA BESSA LUÍS | 88 ANOS
"As pessoas interrogam-se em tudo quanto vivem. A saturação da servidão não é uma revolta; é um sentimento de desapego imenso quanto aos princípios que amaram, os deuses a que se curvaram, os homens que exaltaram. (...) Mas foi crescendo a saturação da servidão, porque a alma humana cresceu também, tornou-se capaz de ser amada espontaneamente; tudo o que servimos era o intermediário do nosso amor pelo que em absoluto nós somos. Serviram-se valores porque neles se representava a aparência duma qualidade, como a beleza, o saber, a força; esses valores estão agora saturados, demolidos pela revelação da verdade de que tudo é concedido ao corpo moral da humanidade e não ao seu executor.
Um grande terror sucede à saturação da servidão. Receamos essa motivação nova que é a nossa vontade, a nossa fé sem justificação a não ser estarmos presentes num imenso espaço que não é povoado pela mitologia de coisa alguma. Somos novos na nossa velha aspiração: a liberdade é doce para os que a esperam; quando ela for um facto para toda a gente, damos-lhe outro nome".
Agustina Bessa-Luís | Dicionário Imperfeito


PRESIDENTES DE TODOS OS PORTUGUESES | Hoje ouvi uma intervenção do candidato do Bloco de Esquerda, num daqueles jantares manhosos onde os candidatos têm de ir para mal dos seus pecados. Manuel Alegre está a ganhar terreno a Fernando Nobre na inabilidade e na falta de coerência. Hoje só faltou anunciar uma deslocação ao tabuleiro da ponte em protesto contra as portagens. Claro que disse o óbvio: as medidas não animam a economia e são violentas. Todos, começando pelos membros do Governo, concordamos com a premissa. Mas aquele discurso do tipo "os ricos que paguem a crise", e a promessa de que a sua eleição daria novo fôlego à Democracia, tornam ainda mais triste a triste pré-campanha que tem vindo a fazer. Pobre poeta triste.
Aguardo com alguma expectativa um discurso do candidato do Partido Socialista.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

quarta-feira, 13 de outubro de 2010



COMBATE DE BLOGUES | Não, não foi em Queluz (TVI 24), foi em pleno Bairro Alto, na Rua da Barroca, onde se situa o restaurante do meu amigo Eugénio Fidalgo. O repasto entrou de repente na nossa História pessoal (minha e do João Gonçalves - Portugal dos pequeninos). Foi de tal maneira que ficou a promessa de a comemoração passar a ser semanal. Temos uns convidados na mira, que serão convocados nas próximas horas. Há vida para além da crise.


CORPO RENASCIDO | No Chile e no resto do mundo não se fala de outra coisa. Trinta e três homens estiveram debaixo dos torrões durante mais de dois meses. Um gravíssimo problema humano que agora parece estar perto da resolução. Fala-se em heroísmo e em renascimento. Não é nada disso: é apenas uma falha na relação entre o Homem e a Natureza. A Natureza manifesta-se perante a fragilidade Humana. O Homem mostrou que a sua capacidade de adaptação e de resistência às contrariedades são surprendentes. Claro que estes homens devem ser bem recebidos pelos seus semelhantes. E ajudados. Não os tranformem é em marionetas de satisfação mediática. Por favor.

RECEITUÁRIO | A não perder.
Clique na imagem para a ampliar.

terça-feira, 12 de outubro de 2010



JOAN SUTHERLAND | A voz desta senhora não é qualquer coisa. Emociona, alegra, dá-nos forças. Há gente assim. Gente que parece que veio ao mundo para tornar os outros mais gente. Esta grande senhora morreu. A voz ficou. Os registos que tenho ali na estante provam-no. Logo, vou continuar a conviver com a voz que tanta alegria lhe deu. Obrigado, minha senhora.
PAREDES DE VIDRO | Tomás Vasques partiu o vidro e disse o que viu. Está no seu Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos.

O PCP lamentou a atribuição do prémio Nobel da Paz 2010 ao chinês Liu Xiaobo. Este dissidente teve a ousadia de encabeçar os protestos na praça Tiananmen, em 1989, e foi condenado por um tribunal de Pequim a 11 anos de prisão, acusado de «subverter a ordem estabelecida». Os comunistas portugueses, em memória dos seus presos políticos no tempo da ditadura, deviam ter vergonha deste comunicado. Mas, por outro lado, o PCP ficou surdo e mudo, à sucessão dinástica na Coreia do Norte, onde por ordem do monarca Kim Jong Il, o seu filho, Kim Jong Un, de 26 anos, é nomeado general de 4 estrelas, dirigente do partido, membro do governo e sucessor do paizinho. Quando, em Portugal, o PCP fala em «democracia» já toda a gente sabe do que fala.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

BIG BROTHER | A monarquia norte-coreana está de boa saúde e recomenda-se. O príncipe herdeiro já aparece nas cerimónias oficiais do regime. Chama-se Kim Jing-un, tem vinte e sete anos e parece que foi educado na Suiça. Como não se conhecem cursos para ditadores em país tão civilizado, provavelmente o rapaz já entrou em estágio para se inteirar dos enleios do regime. Foi por isso que apareceu na varanda dos festejos. O povo que se vá habituando. Aquilo é para continuar.

A AMIZADE NO FACEBOOK | Rui Bebiano aborda as novas amizades nascidas nos novos suportes de comunicação. É uma nova vida que está a surgir nos computadores pessoais. Se não nos conhecemos, somos amigos por que carga de água? A amizade já não é o que era? É pior assim? É melhor? É o que é. Ler aqui.

sábado, 9 de outubro de 2010



BICO CALADO | Funcionários no activo vão poder continuar a acumular com reformas: altos quadros de empresas públicas, deputados, autarcas, e até mesmo Cavaco Silva, vão continuar a usufruir de algo que nunca nos passará pelo pêlo. Ou seja, o Governo recuou porque estão em causa regalias que abrangem gente de todos os partidos políticos. Logo a coisa deita por terra os "princípios de justiça" que esquerda e direita, e salvaguardando as devidas diferenças ideológicas, sempre apregoam. Há momentos em que preferem meter a viola no saco. Afinal a crise não é para todos. Mesmo.
Imagem: Sem mãos a medir. Desenho de João Abel Manta.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010



COZINHA POR MEDIDA | Aqui está um sítio onde se dão umas dicas a quem quer fazer um figurão em conhecimentos gastronómicos. Entre na cozinha, procure os ingredientes, pegue nos tachos e faça o que o Nuno Carrusca diz. Quem sabe, sabe. bom apetite.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010



MÁRIO VARGAS LLOSA | Excerto de uma entrevista com o comtemplado com o Prémio Nobel da Literatura hoje anunciado:

"Sempre participei na política como intelectual interessado no confronto de ideias. Nunca me imaginei assumindo cargos. Definitivamente não era a minha vocação. Mas resolvi participar no jogo político num momento muito particular do país (Peru), em que havia uma situação económica crítica, um processo hiperinflacionário que destruía os salários, um populismo que fazia com que o Peru fosse olhado com desconfiança pela comunidade internacional, quando os níveis de vida despencavam e havia a violência social desencadeada pelo terrorismo, com o Sendero Luminoso, os Tupac Amaru e outras organizações radicais. Enfim, senti que a nossa débil democracia poderia desaparecer, por isso resolvi candidatar-me. Além disso, eu acreditava realmente haver um clima favorável para as reformas liberais e democráticas que me dispunha fazer. Foi uma experiência instrutiva e ingrata, também, pela grande violência que a acompanhou. O saldo foi reconhecer que sou completamente incompetente como político profissional".


A ARTE PRIMEIRO | Fernando Pernes morreu. Desapareceu uma importante opinião na Arte portuguesa contemporânea.
Imagem: Retrato dos Críticos por Nikias Skapinakis.


OBRIGADO SENHOR | Um grupo de seguidores de uma igreja batista americana agradecem ao seu deus a morte de soldados. Para estes cretinos estas mortes são um castigo. No funeral de um militar mostraram as suas "ideias" trogloditas: "Graças a Deus pelos soldados mortos" e "Tropas de maricas", foram as inscrições que exibiram. Deus enfureceu-se e desatou a matar soldados para que a sua ira seja perceptível. A culpa é da tolerância para com a homossexualidade. Toda a homossexualidade deve ser castigada.
Claro que é só um grupo de imbecis, mas tanta imbecilidade incomoda.

Clique na imagem para a ampliar.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010



MODERNIDADE | Vaticano não concorda com atribuição de Prémio Nobel da Medicina. Parece que o vencedor, o médico e cientista britânico Robert Edwars, teve o atrevimento de "dar à luz" o primeiro bebé-proveta.
Para o Vaticano ainda devíamos andar a rebolar nas esterqueiras medievais.


BALANÇO | Não houve surpresas nas comemorações do 5 de Outubro. Discursos politicamente correctos conforme a cartilha do interventor, inaugurações, cumprimentos, abraços, entrevistas a ex-presidentes e concordâncias de circunstância. Em Guimarães lamentou-se a data. Ao lado do rei deposto antes de o ser, lá andava o autor da proposta de revisão constitucional do PPD/PSD, Paulo Teixeira Pinto. O líder propriamente dito faltou às comemorações realizadas no sítio do costume. Será que o partido de Passos Coelho está a ficar monárquico?
Imagem: Monumento em homenagem a Teófilo Braga em Ponta Delgada, Açores.

terça-feira, 5 de outubro de 2010



SISTEMA ALTERNATIVO | Há cem anos a monarquia foi corrida dos tapetes do Poder pela força. Pôs-se a jeito, é certo. Os últimos anos do reinado de Dom Carlos, com o apoio da Igreja mais retrógada (muito longe do actual catolicismo, adepto de um certo progresso e de um útil cosmopolitismo), foram cruciais para a revolta. Todas as revoltas são programadas por elites esclarecidas e depois seguidas pelo povo farto de sofrimento. Depois de muita agitação revolucionária, houve um período de má memória em que os princípios republicanos foram abalados: Salazar tratou de tornar o regime repugnante. Os historiadores chamam a este interregno segunda república. E agora estamos na terceira prestação deste regime que nos foi oferecido há cem anos. Estamos melhor? Quem o sabe? Estamos como estamos. Pelo menos não estamos representados por um soberano imposto por um Deus que não é reconhecido por todos. Claro que o actual Presidente que elegemos é católico. E daí? Até podia ser do Belenenses, que mal tem? Fico contente por poder ter Presidentes agnósticos, escolhidos por mim e por outros como eu. Posso assim dizer com toda a segurança que sou republicano. Acredito que o seria mesmo que vivêssemos em monarquia. Referendo para esclarecer as coisas? Deixem-se disso. Para quê chorar sobre o leite derramado? Para a frente é que é caminho.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

DEAMBULATÓRIO | Gostei de ler este texto do Rui Herbon.
Vão até lá.
Está no Jugular.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

+