sexta-feira, 5 de novembro de 2010

CONTA-ME COMO FOI | Há por aí quem se queixe de Manuel Alegre por não falar da Greve Geral. Como se tal preocupação fosse fumo do cachimbo de um candidato presidencial. Agora Alegre vem falar dos abutres que atacam a economia, em constante obsessão com o candidato Cavaco. É certo que Cavaco também fala em mudança do sistema económico, não esclarecendo a opção que sugere - revolução socialista? Liberdade ao liberalismo? Já só falta falarem da ratazana do fascismo. Quem ouve falar o candidato do BE, não acredita que ele combateu as alegrias dos amanhãs que cantam com alegre intensidade. Quem ouve falar o candidato de Belém, não acredita que o sistema foi desenvolvido com grande entusiasmo por ele. Já nada é como era. Não há tradições que aguentem. Era bom que Alegre parasse no dia da Greve Geral. E Cavaco também. Pelo menos esclareciam-se algumas coisas.
+